Artista constrói trajetória que passa pela dança, pelo futebol e pela música

 

A arte está no sangue. O ritmo e o gingado vêm da mistura equilibrada entre os movimentos da dança e os dribles da bola. Rodrigo Oliveira é a própria imagem e representação do Brasil e suas raízes culturais: filho de jogador de futebol e de uma exímia bailarina, o cantor, de 39 anos, trilhou um caminho que não poderia deixar de ser marcado por experiências artísticas das mais variadas. Entre os palcos e os campos de futebol, Rodrigo desenvolveu habilidades que ofereceram a base necessária para que se tornasse um artista completo, dedicado e conectado às suas raízes.

 

Nascido em Salvador, Bahia, o cantor construiu sua trajetória entre o Brasil e a França, país que se tornou a sua segunda casa desde 1992, quando se mudou pela primeira vez para Paris e investiu na dança, integrando o grupo Rio Samba Show, criado pela mãe. Mas o amor pelo futebol o levou de volta ao Brasil, em 1994, quando decidiu retornar e se profissionalizar como jogador. O sonho durou pouco e uma contusão grave tirou Rodrigo de vez dos gramados.

 

Entre idas e vindas, Rodrigo foi descobrindo sua verdadeira vocação: a música. O jovem artista passou a se dedicar ao estudo da percussão e mergulhou de cabeça na carreira musical. Do instrumento para a voz foi um pulo. Em pouco tempo ele passou de percursionista a cantor da banda e a paixão pela performance musical tomou conta de sua vida.

 

De volta à Paris em 2002, o cantor, já com uma base sólida como compositor e intérprete, participou de diversos festivais internacionais, como o Samba-Festival Cobourg, na Alemanha, o Samba Fest, na Suíça, o Lavagem de Madeleine, na França, e Pop in Djerba, na Tunísia. Com influências musicais originárias dos mais variados estilos – de Gilberto Gil à James Brown, passando por Michael Jackson, Ismael Lo e Magic System – ele é autor de um dos maiores hits do ritmo Zumba, a composição “Samba África”, que se tornou sucesso no mundo todo e já foi interpretada por nomes como Carlinhos Brown e Claudia Leite.

 

 

Assim como a própria cultura brasileira, a marca musical do cantor reflete uma combinação de ritmos africanos, samba e pop, que deram origem à uma nova tendência musical: o samba decalé, conceito livremente inspirado pelo coupé-decalé, criado em Paris por DJs da Costa do Marfim e do Congo, lugares em que Rodrigo teve a oportunidade de tocar e perceber a proximidade entre a musicalidade africana, europeia e brasileira. Essa expressão musical aparece em seu mais novo projeto, “De Alma e Dendê”, que traz canções como “Babá Samba Decalé”, “Água e Sal” e “Sonhado o meu sonho”, combinando ritmos tribais com melodias modernas.

 

Fonte:  http://www.retratorio.com.br/rodrigo-de-oliveira-de-alma-e-dende 

A fibromialgia é uma doença crônica caracterizada por queixas de dores neuromusculares difusas e pela presença de zonas dolorosas em regiões anatomicamente determinadas. Adicionalmente, manifestações como fadiga, distúrbios emocionais e perturbações do sono e gastrointestinais, são igualmente comuns nestes pacientes. Conheça os 10 erros que nunca devem ser cometidos por quem sofre desta doença, de modo a não a agravar.

Permanecer muito tempo na mesma posição
Indivíduos com fibromialgia devem evitar permanecer longos períodos de tempo na mesma posição, seja sentado, deitado ou de pé. É este o motivo pelo qual as pessoas afetadas por tal doença tendem a sentir-se piores ao acordar, uma vez que ficaram deitadas na mesma posição durante horas. Quando o corpo não se movimenta, os músculos tendem a ficar mais rígidos, causando dores adicionais. Assim, atividades aparentemente inofensivas como, por exemplo, estar no computador ou lavar a loiça, devem ser cronometradas para evitar distrações que podem, mais tarde, implicar dores profundas.

Água fria

Aqueles que sofrem de fibromialgia não devem mergulhar qualquer parte do seu corpo em água cuja temperatura seja inferior a 30 graus. A resposta a baixas temperaturas costuma ser imediata e dolorosa mas, em alguns casos, a sensação de desconforto surge apenas algumas horas após a exposição a água fria. Além disso, a água quente é particularmente indicada porque ajuda a aliviar dores musculares e ósseas.

Movimentos repetitivos
Utilizar repetidamente os mesmos grupos musculares contribui para uma rápida escalada da dor. Assim, atividades que exijam repetição prolongada de certos movimentos devem ser evitadas ou interrompidas por pausas frequentes. Um estudo canadiano recente demonstrou que, quando submetidos à tarefa de levantar e pousar 18 latas, doentes com fibromialgia reportaram dores mais intensas do que pacientes com dores de costas crônicas.

Saltos altos
Apesar de esteticamente apelativos, os saltos altos vertiginosos são medicamente desaconselhados a todas as mulheres. Não obstante, a maioria ignora os potenciais perigos deste acessório em nome da beleza. Está cientificamente provado que a utilização prolongada de saltos altos pode provocar problemas graves nos pés, joelhos e postura corporal. Assim sendo, não é difícil entender que sejam totalmente proibidos a mulheres que sofram de fibromialgia. Em fases avançadas da doença, a maioria refere que o seu uso é totalmente insuportável.

Roupa justa
Pessoas com fibromialgia devem usar roupa leve, solta, e que não constrinja os movimentos. Os soutiens, por serem justos ao peito e terem armação, são normalmente uma das principais fontes de queixa por parte das mulheres que sofrem desta doença, sendo que os modelos desportivos são os ideais. As restantes peças de vestuário devem ser fáceis de vestir e despir, e os tecidos sintéticos devem, sempre que possível, ser preteridos em nome de materiais naturais como lã ou algodão.

Pressa
Situações em que indivíduos com fibromialgia sejam forçados a apressar-se devem ser evitadas a todo o custo. A adrenalina que resulta de circunstâncias deste género pode aumentar os níveis de fadiga, exaustão, dor e stress. Neste sentido, é necessário realizar todas as tarefas com tempo, pelo que levantar mais cedo e planear/preparar cuidadosamente tudo o que deve ser feito são bons conselhos. Pausas para descansar são também uma boa opção.

Aspártamo
Trata-se de um açúcar artificial utilizado para adoçar os mais variados produtos: refrigerantes, iogurtes, sobremesas, e outras comidas em que o objetivo é não adicionar calorias. Vários estudos reportam casos de doentes com fibromialgia que, ao descontinuarem o consumo de aspártamo, verificaram melhorias significativas.

Cafeína
Por vezes, pode ser tentador combater um dos principais sintomas da fibromialgia – a fadiga – com uma boa dose de café ou Coca-Cola, mas a cafeína pode interferir com os padrões de sono, e uma noite bem dormida é um dos principais fatores responsáveis pela minimização das dores provocadas pela doença. Um estudo norueguês publicado no jornal científico Arthritis & Rheumatism sugere que os distúrbios de sono desempenham um papel prejudicial no desenvolvimento da fibromialgia. Para aqueles que não dispensam as bebidas com cafeína, o mais indicado é consumi-las durante as primeiras horas do dia.

Glúten
A doença celíaca, uma intolerância ao glúten, encontrado em trigo, cevada e centeio, é uma condição que pode, em alguns casos, agravar a fibromialgia. Em caso de diagnóstico desta intolerância, devem ser eliminados da dieta produtos como: massa, pão e cereais. Todos eles são passíveis de ser substituídos por alternativas à base de arroz e milho. É importante ter em conta que muitos molhos, marinadas e doces contêm glúten. Indivíduos com fibromialgia devem considerar eliminar um produto de cada vez e manter um diário para anotar quaisquer melhorias verificadas. Desse modo, será possível apurar quais os produtos que mais negativamente afetam os sintomas da fibromialgia.

Glutamato monossódico e nitrito de sódio
Estas substâncias são utilizadas como conservantes e aromatizantes em muitas comidas processadas, como comidas curadas e molhos. Tais alimentos possuem muito sal, que pode agravar a dor ou inchaço em alguns pacientes com fibromialgia. De modo a minimizar o impacto destas substâncias na fibromialgia, dever-se-á evitar comidas pré-preparadas sempre que possível, e apostar em alimentos como lentilhas, arroz integral e peixe.

Fonte indicada: Adoeci

 

 

fibromialgia foi reconhecida como doença pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1992.Atualmente, a fibromialgia afeta 4% da população, sendo que deste total quase 90% são mulheres.

É conhecida como a “doença invisível” porque afeta todas as partes macias do aparelho locomotor e não pode ser diagnosticada facilmente através de exames médicos.

Controle-da-dor-na-fibromialgia-terapêutica-medicamentosa-e-não-medicamentosa

A fibromialgia não se vê, não deixa marcas na pele nem provoca feridas que outros possam ver. É uma dor solitária, desesperadora.

Sofrer de fibromialgia é algo muito duro: não sei como vou acordar hoje, se conseguirei me mexer, se poderei rir ou só terei vontade de chorar… O que eu sei com certeza é que não finjo: eu sofro uma doença crônica.

Atualmente ainda se desconhece a etiologia desta doença, mas o que sabemos é que ano após ano são mais pessoas diagnosticadas, por isso a medicina está tentando trabalhar em uma intervenção o mais globalizada possível, incluindo, evidentemente, o aspecto biopsicossocial.

 

Hoje queremos apresentar algumas dicas básicas para que você possa enfrentar a doença com força, melhorando a sua qualidade de vida na medida do possível.

Fibromialgia: a doença real que não se vê

Quando uma pessoa não pode se levantar da cama porque sente que “agulhas ardentes” ferem as suas articulações, não está fingindo nem procurando uma desculpa para não ir ao trabalho.

Quem sofre de fibromialgia deve adicionar à sua própria doença a incompreensão social, com a sensação de se sentir invisível em um mundo que só acredita no que vê.

O principal problema da fibromialgia está na controvérsia da sua origem: psicológica ou orgânica. Estas são as principais conclusões que os especialistas apontam:

Possível origem da fibromialgia

É preciso esclarecer em primeiro lugar que não existe evidência médica que relacione a fibromialgia com uma doença psiquiátrica.

  • Alguns autores falam de que cerca de 47% dos pacientes sofrem de ansiedade, mas é preciso considerar também que esta dimensão psicológica pode ser uma resposta da própria dor, da própria doença.
  • Segundo um trabalho publicado na revista “Arthritis & Rheumatology”quem sofre de fibromialgia experimenta uma maior hipersensibilidade à estimulação sensorial cotidiana.
  • Através de uma ressonância magnética os pesquisadores descobriram que frente a um estímulo visual, tátil, olfativo ou auditivo, as regiões de integração sensorial cerebral sofrem um sobre estímulo maior que o normal.
  • As pessoas com fibromialgia têm um maior número de fibras nervosas sensoriais nos seus vasos sanguíneos, de modo que todo estímulo ou mudança de temperatura causa uma dor intensa.

Algo a considerar é que qualquer fator emocional irá aumentar a sensação de dor nestas fibras nervosas. Uma situação pontual de estresse irá resultar em uma sobrecarga na estimulação e em dor, e a sensação de dor e cansaço crônico pode conduzir o paciente à impotência e inclusive a uma depressão.

Portanto, caímos em um círculo vicioso no qual uma doença de origem orgânica é aumentada pelo fator psicológico. Por isso, vale a pena controlar a dimensão emocional para atenuar ou pelo menos “controlar” a origem etiológica.

Estratégias psicológicas para enfrentar a fibromialgia

dor crônica faz parte da nossa realidade social, sendo a fibromialgia (FM) uma das suas principais causas. Agora que já temos clareza de quefatores como estresse ou a tristeza irão aumentar a sensação de sofrimento, é importante introduzir algumas estratégias básicas de enfrentamento que podem ajudar.

Hoje você se levantou, se vestiu e pode sair para a rua. Ninguém mais entenderá as suas conquistas, mas esses pequenos triunfos são importantes para você e devem lhe dar forças: você pode ser mais forte que a sua doença.

5 chaves para obter uma melhor qualidade de vida

Em primeiro lugar é importante considerar que nem sempre as mesmas estratégias servirão para todas as pessoas. Você precisa encontrar aquelas estratégias que sejam boas para você de acordo com as suas peculiaridades e necessidades. Para isso, experimente e selecione você mesmo aquelas que lhe causam maior alívio.

  • Entenda a sua doença. Isso implica estar em contato com especialistas, médicos e psicólogos. São necessários tratamentos multidisciplinares e cada um lhe trará todo o conhecimento desta condição para que você “compreenda” o seu inimigo. Desta forma, você estará mais seguro e prevenido.
  • Passe a ter uma atitude positiva na sua vida. Sabemos que não é simples, mas em vez de reagir frente a dor, é melhor aceitá-la e tratá-la, não se deprimir. Não hesite em conversar com pessoas que sofram o mesmo que você, não se isole, nem guarde rancor daqueles que o rodeiam.
  • Procure atividades que lhe permitam enfrentar o estresse e a ansiedade: existem técnicas de relaxamento muito adequadas que podem lhe ajudar. A ioga, por sua vez, também pode ser muito benéfica.
  • Nunca perca o controle da sua vida, não deixe que a dor domine.Para isso, estabeleça momentos de ócio cotidiano por menores que sejam. Saia para caminhar e não evite o contato social.

20150805040024331

  • Ouça as suas emoções, os seus pensamentos e a sua linguagem. O que pensamos e sentimos tem uma influência direta sobre a doença. Se você disser frases como “não vou conseguir me levantar”, “isso não tem solução” ou “já não tenho mais forças”, você aumentará o seu sofrimento.

Vire estas frases do avesso e você verá como a sua realidade muda.

Do original: A Mente é Maravilhosa, via Saúde Curiosa

Artigo 01 

 

Ciência & Espiritualidade

 

- O que leva o ser humano ao vazio existencial?

Parte I

 

- É inconcebível que na época atual, as variáveis comportamentais observadas e discutidas, não sejam erradicadas em tempo hábil, sem provocar impactos, no que se refere ao individual ou social.

É nebulosa a necessidade de indivíduos dotados de capacidade de superar as tendências das dores fabricadas na alma e denominadas de compulsões, sintam prazer em dimensiona-las e até mesmo de transformá-las em caricatos dramas existenciais.

As psicologias se esforçam para desvendar e até mesmo eliminar ou minimizar cenários mentais produzidos tanto em crianças, adolescentes e adultos.

Normalmente este vazio conhecido popularmente como “vazio existencial” (depressão), manifesta-se como dor na alma, é difícil de descrever e diagnosticar, nasce na infância, tendo como mola propulsora a humilhação auto imposta, a expectativa, a desilusão, a carência afetiva crescente, a rejeição e as más fadadas comparações; situação comum nas famílias desajustadas.

Em verdade o homem não é fruto do meio, mas, corre sérios riscos ao permanecer voluntariamente no meio que o açoita impiedosamente e o arrasta em direção das permissividades impostas pelas infiltrações obsessivas, que atingem o auge quando os indivíduos que vivem em crise constante fragilizam a personalidade; estes vivem nas vielas da indefinição e se auto intitulam desprovidos da capacidade de reação.

Os sintomas se agravam gerando transtornos de geração em geração, procriando rebeldes, depressivos, alienados e perversos até alcançar o grau superior, que são os adultos destituídos de identidade.

A existência humana está ligada ao ego e, quando este está em estado de ebolição nos torna auto destrutivos, porém, quando este elemento está controlado podemos nos considerar indivíduos dotados de bom senso e personalidade estável.

Não existe escuridão e vazio maior, que a escuridão de uma existência que tem os olhos fechados.

- E você, tem medo da sua própria existência?

- Por quê?

 

Prof. Dr. Dom Jorge Guedes 

Neuropsicanalista e Psicoterapeuta

 

+++ +++

 

Artigo 02 

 

Ciência & Espiritualidade

 

- O que leva o ser humano ao Vazio Existencial?

Parte II

 

- Quem nunca viveu a dinâmica do vazio existencial, acredita ser este tormento um processo mórbido, desencadeado pelo fascínio que conduz o acometido a cegueira emocional e consequentemente a rejeitar as possibilidades de ser o protagonista da própria história.

O vazio existencial sobrepõe-se acima da necessidade real do bem estar e, geralmente é motivado por aflições impostas, independente da idade, gênero, raça, posição social, intelectual e produz rupturas emocionais fragilizando a personalidade, levando o indivíduo que a vive a irremediável perda de identidade.

A falta de amparo familiar, educacional, social e psicológico são alguns dos fatores que originam forma e potencializa este estado num cenário patológico difícil de tratar em curto ou médio prazo, devido ao fato do Eu autêntico ter pouca expressão e atitudes nas cenas onde atuam a baixa estima, a insegurança, o medo, a desmotivação, a submissão, a ansiedade, a perda, a separação, o abandono e outros sentimentos que acolhem a sombria dor da alma.

Caros amigos que defendem a vida:

- Os indivíduos que se concedem o direito de criticar e praticar julgamentos intolerantes, rotulando os que vivem as indecifráveis dores da alma, não estarão mergulhados em um terrível Vazio Existencial?

 

“O Vazio Existencial é um buraco negro, consome tudo, inclusive o bom senso!”

 

+++

 

Artigo 3

 

O que leva o ser humano ao Vazio Existencial?

 

Parte III

 

- O Exagero de nomes utilizados para definir uma doença mental, transtorno, distúrbio ou depressão em fase inicial confunde a população, paciente e até mesmo os próprios profissionais da saúde mental.

 

 A fusão dos sintomas e nomenclaturas apresentados por falta de recurso, conhecimento, respeito, ética, disponibilidade e dignidade transformam os que sofrem pelo vazio existencial (causas multifatoriais) numa incógnita e, geralmente são classificados como casos insolúveis e tratados na maioria das vezes como objetos.

 

 Precisamos entender que a pré-disposição genética, as disfunções no metabolismo cerebral, as compulsões e a soma da alteração emocional-espiritual (obsessão severa), provocam graves distorções emocionais; também não devemos deixar de mencionar o vasto mosaico das culturas afetivas indefinidas em ascensão.

 

 Os rótulos têm gerado constrangimento a milhões de indivíduos e, estes lutam para se libertar do estigma imposto, rejeitando os diagnósticos e tratamentos que os associam a insanidade e peso social.

 

 Toda desordem mental tem uma origem e, quando excluídos os fatores patológicos que possam produzir sintomas psicóticos semelhantes aos efeitos de drogas, tumores cerebrais, epilepsia, alterações metabólicas, má formação genética e etc, deve-se referenciar a possibilidade de outras situações que geram alterações sensoriais.

 

 A insensibilidade e o preconceito por parte da família, amigos, educadores e principalmente por profissionais da área da saúde mental não estarão potencializando transtornos que podem ser controlados, minimizados ou até mesmo erradicados?

“O medo é o primeiro passo para a autodestruição; evite-o!”

 

Prof. Dr. Dom Jorge Guedes

Neuropsicanalista e Psicoterapeuta

 

 

http://jorgeguedespsicanalise.blogspot.com.br

 

 +++   +++

 

 

 

Ciência & Espiritualidade

 

- O que leva o ser humano ao Vazio Existencial?

 

A Obra psicografada “Há Luz nas Reflexões” vai além de uma simples leitura.

Cada mensagem é uma reflexão que nos sugere o despertar das nossas múltiplas capacidades adormecidas, de selecionar e interpretar as variáveis da realidade que vivemos e, leva-nos a entender e a reativar a dinâmica consciencial da qual somos dotados.

Cada mensagem ditada pelo espírito “Ghazivh” são janelas oferecidas para entrarmos em contato com o que somos ou podemos vir a ser.

Precisamos de lucidez para enfrentar as situações que nos rodeiam, necessitamos provocar reações motivadoras e positivas, a fim de superar o indesejável vazio existencial e, entender os desejos, ideias, medos, ansiedades e outros sentimentos aparentemente inexplicáveis.

Contudo, estas mensagens são somente janelas que, poderão dar-nos o discernimento e o equilíbrio entre o eu físico e o eu mental em convulsão.

“A reflexão é uma nascente de conhecimentos sem fim”...!

               

Ghazivh

 

Autora: Maria Anita Guedes

Auto Ajuda – Reflexão

ISBN: 978-85-904297-84

Formato: 14 x 18

Num. De Pág: 150

Valor: R$ 30,00

Calcule seu frete: http://www2.correios.com.br/sistemas/precosPrazos/   

Prazo de entrega: 15 dias dependendo da região

Pagamento: Boleto bancário -  

           Depósito em conta 

 

 

Exposição BÊNÇÃOS  dos  ORIXÁS" Santarém-Portugal

 

 

CONVITE

Exposição Ed Ribeiro

"BÊNÇÃOS dos ORIXÁS"

Santarém  - Portugal

Curador:  Paulo Rufino

 

É o que vamos ver a partir do dia 01 a 26 de outubro de 2016, na   

CASA do BRASIL

     "Casa Pedro Álvares Cabral"

             Santarém  - Portugal.

Uma mostra expressiva da obra de ED RIBEIRO, com pinturas que retratam o mundo mágico e misterioso do Candomblé.

Existem várias outras obras, mas este é o artista plástico que tem se dedicado como tema principal ao Candomblé, muito importante para a Cultura Brasileira e para a formação Cultural do nosso País. O Brasil, se não mostrar todas as suas raízes e matrizes culturais, não será o Brasil.

 

ED RIBEIRO nos dá uma grande contribuição, por entender com profundidade toda a ligação da religião. É Arte, com a sensibilidade do nosso povo. E essa valorização da cultura brasileira, por meio das inúmeras manifestações culturais, que nós vamos, cada vez mais, ter a dimensão universal do que é a Arte Brasileira e o que é o trabalho deste artista, que além de ver todas as coisas de uma forma única e INOVADORA de pintar, porque, surpreendentemente, não usa pincel, não usa os dedos, não usa a mão. Ele faz todo seu trabalho DERRAMANDO AS TINTAS e movimentando a tela, criando imagens com detalhes e com a força de uma grandiosa obra.

Estamos sempre emocionados quando contemplam os os trabalhos deste grande artista plástico inovador.

 

Parabéns CASA do BRASIL

   "Casa Pedro Álvares Cabral"    

         Santarém  - Portugal 

Pela escolha do artista plástico contemporâneo ED RIBEIRO.

 

      NEVILLE D'ALMEIDA

 

               Cineasta.

 

 

 Luxo da Arte Contemporânea

Ed Ribeiro, mencionado 
Honrado com o Texto do Crítico de Arte Joviniano
Veja e clique abaixo o final... 
http://joviniano.blogspot.pt/…/arte-contemporanea-no-brasil…
Do lixo ao luxo no Brasil podem ser citados os interessantes trabalhos de Vik Muniz e as esculturas de madeira calcinada de Frans Krajcberg. Na pintura merecem ser mencionadas as telas com formas de seres mitológicos e encantados criadas a partir dos movimentos fluidos da tinta de ED RIBEIRO; a força plástica e vitalidade das obras de Siron Franco, Adriana Varejão, Emanoel Araújo, Sidnei Lizardo, Leonel Mattos, Zélio Pinto, Manabu Mabe, Yugo Mabe, Guilherme de Faria, Antônio Henrique Amaral, Vânia Mignone; Os desenhos de Aldemir Martins, Regina Silveira, Wesley Duke Lee, Leila Pugnaloni, Paulo Monteiro; as instalações de Cildo Meireles, dentre outros.

Por fim, no intuito de estimular o pensamento acerca do sistema de arte que nos cerca, resta ainda nos perguntar: o que permanecerá como característica de nosso tempo no campo das artes? O que virá depois?

 

 

 

 

 Nosso BRASIL precisa conectar BOAS ENERGIAS 

Ed Ribeiro visita
Embaixada Brasileira em Lisboa 

"BÊNÇÃOS dos ORIXÁS" proxima 
Exposição ED RIBEIRO em
Santarém - Portugal
 — em  Lisboa

 

 

 

 

 

 Importante seu comentário! 

O que achou do PREFÁCIO que meu FILHO Ed Ribeiro Filho escreveu? 
do meu Livro "A VIDA COM DENDÊ"

Quando recebi o convite para escrever este prefácio, inicialmente, fiquei bem espantado com a idéia. Transitei em segundos por diversas sensações, até ser tomado por uma emoção sem palavras. Que honra, pois tamanha é a importância e o desafio de falar sobre Ed Ribeiro, meu amado pai e conceituado “artista plástico das tintas livres”, como bem o batizou o escritor José Luiz Tejon. Que aqui realiza o sonho de “escrever este livro, um livro que vai contar uma história, de uma alma determinada e inovadora. ”

Ver seu nome citado no início do livro Guerreiros Não Nascem Prontos, em seu 1º capítulo dessa brilhante obra literária de Tejon, me encheu de orgulho. Observe como começa essa literatura: “O que me interessa agora é sua vitória, guerreira ou guerreiro da sua própria vida, só para começar. Ed Ribeiro, hoje um artista plástico consagrado internacionalmente, um legítimo guerreiro que não nasceu pronto e veio a ser um sucesso incrível. ”

Suas histórias são ótimas lições de vida. Leia esse livro e tenha a oportunidade de aprender, numa linguagem muito simples, como levar “A VIDA COM DENDÊ”, ou seja, como viver com o tempero da alegria, positivismo, fé, criatividade, perseverança, trabalho, observação, bons relacionamentos, liderança, emoção, amor à natureza e ao próximo.

Não apenas o grande escritor e palestrante Tejon o tem como grande amigo, Ed Ribeiro conquistou boas amizades ao longo da sua jornada pelo Brasil e pelo mundo, que inclusive deixam seus depoimentos nessa biografia, como, por exemplo, o escritor José Emmanoel; o ilustre músico, cantor e compositor Carlinhos Brown; autoridades como o procurador Antonio Sergio Guimarães, o seu conterrâneo Cel Santana Ex-comandante, Polícia Militar Estado da Bahia; sumidades da arte como Ricardo Barradas: marchand, curador e crítico de arte, Ronaldo Leão: jornalista e crítico de Arte e Márcia Magno: ex-diretora e professora da Escola de Belas Artes da UFBA.

Então porque com tantas grandes amizades, escolher logo o seu filho para escrever o prefácio da sua biografia?

Ele logo me explicou: “Não há ninguém melhor que você para introduzir o livro que conta a história da minha vida”.

Coração a mil, foi então que entendi qual era o seu plano: temperar sua biografia, começando com o dendê da emoção do laço familiar mais forte, de um filho primogênito, admirador, que desde muito pequeno se espelhou no exemplo do pai que sempre observara.

Agora eu pergunto: quem melhor do que esse filho para introduzir a sua história?

Ed Ribeiro tem uma história fantástica: nascido num pequeno sítio do interior da Bahia, de origem humilde, que viviam do que plantavam na pequena horta e vendiam para “entrar dinheiro numa casa onde habitavam 19 bocas para alimentar” - isso mesmo: pai, mãe e 17 filhos – conta Ed emocionado. Continua: “nasci com o pensamento de um vencedor. Desde muito pequeno que construo sonhos”.

Foi assim que conquistou o sucesso como vendedor, depois destaque como empresário inovador no segmento de serviços de manutenção ao lar; bar e restaurante: com a primeira casa de acarajé da Bahia. Porém chegou um momento que todo esse trabalho empresarial, não mais satisfaziam uma alma ávida em criar “que começava a senti-lo como uma pedra no pescoço” e, após longos anos de lutas, superações, muita obstinação, fé e criatividade, Ed Ribeiro menciona que “uma energia que me chamou a atenção para a arte da pintura”.

Aos 53 anos cede a esse impulso, se reinventando como artista plástico. Alcançou a glória de se tornar um ícone reconhecido internacionalmente. Mais um sonho realizado.

No íntimo, Ed Ribeiro tem uma personalidade inovadora e proativa; é uma pessoa observadora e humilde, que sabe reconhecer e aprender com o próximo, mas que permanece fiel às suas próprias convicções, como ele mesmo diz “o que é bom já nasce feito”. Sempre buscou caminhos diferenciados para desenvolver seus trabalhos; crítico às cópias e entusiasta da criatividade. Não só pratica, como prega sua doutrina particular às pessoas que o acompanham: “faça diferente, todos vivem cansados das mesmices”; “seja o melhor, o mundo está superlotado de pessoas que fazem as coisas que qualquer jeito”; “tenha fé em Deus, Ele é nosso Pai Maior; quem busca fazer o bem tem a Sua ajuda”.

Não sei se ele usa exatamente essas mesmas palavras, mas foram elas que ficaram registradas na minha mente e me nortearam a vida inteira. Assim é “Pai Ed”, como seus amigos o chamam: uma mistura de Babalorixá com a figura paterna. Um conselheiro, um exemplo, sempre bastante solícito, companheiro e atencioso. Uma personalidade iluminada, que passa essa mensagem de amor e superação para todos – esse é seu dogma.

Conhecer a obra e não conhecer a pessoa Ed Ribeiro já tem seus encantos. Mas conhecer a biografia do artista é ter a oportunidade de adentrar na sua intimidade e entender o que expressa a arte que flui pelas tintas. É poder enxergar a sua obra sob a luz do axé, que amplia a percepção do admirador, permitindo que este se conecte com a tela, impregnada pela sua fantástica história de vida, pureza, sua complexidade oriunda da simplicidade, onde o mínimo detalhe pode conter a grandeza do universo.

São tintas derramadas que delineiam, no movimento das cores, figuras religiosas e divindades africanas. Entidades essas que forneceram – e ainda fornecem – as forças necessárias para a conquista de sonhos tão grandiosos. Formando, também, elementos da natureza, tão presentes na sua infância “no meio do mato”, como o próprio Ed Ribeiro costuma falar.

Então seja bem-vindo ao universo de Ed Ribeiro. Este livro irá acrescentar muito na sua vida. Você está com um precioso manual em mãos que lhe propiciará uma visão mais apurada das obras enigmáticas de um artista internacional, criador de uma técnica única, com expressão e movimentos próprios; dele, que nasceu ali num pequeno interior da Bahia e hoje ganha o Mundo.

 — em  Lisboa

 

 

 

A cidade de Santo Antônio de Jesus vai sediar a partir do dia 24 de abril de 2016 o primeiro intermunicipal de Hapkido do Recôncavo Baiano, o torneio será realizado no Clube dos 100 localizado na Rua Lomanto Júnior, s/n - São Cristóvão, Santo Antônio de Jesus - BA, a partir das 9h da manhã com previsão de término as 17h. Participarão 22 municípios, com a presença de 120 atletas de todo estado e interior da Bahia. 

O HAPKIDO é uma Arte marcial de defesa pessoal sul coreana, que utiliza socos, chutes, torções, estrangulamento, agarramento e esquivas, o evento terá participações de grandes Mestres de Hapkido da Bahia, Recife, Curitiba e Rio de Janeiro, em especial o Grão Mestre Hong Soon Kang da Coreia do Sul. 

Serão apresentadas modalidades de Salto, Luta e Defesa Pessoal. Nas categorias Infantil, Juvenil e Adulto.

O evento é organizado pela Faculdade Facei e tem o apoio cultural do Portal Jorge Guedes.

  A insuficiência renal crônica, também chamada de doença renal crônica, é uma doença silenciosa e bastante comum, apesar de receber pouca publicidade e ser desconhecida da maioria da população. Algumas estatísticas nos ajudam a entender a relevância da doença renal crônica:

 Cerca de 10% da população mundial possui algum grau de lesão renal.
 No Brasil, a estimativa é de que existam 13 milhões de pessoas com algum grau de doença renal, sendo que a imensa maioria não sabe que tem problema nos rins.
 A doença renal crônica afeta 1 em cada 5 homens e 1 em cada 4 mulheres com idade entre 65 e 74 anos.
 No faixa etária acima de 75 anos, 1 em cada 2 pessoas é portadora de insuficiência renal crônica.
 O Brasil tem hoje cerca de 100 mil pacientes sendo tratados em programas de hemodiálise. Por volta de 70% destes só souberam que tinham lesão dos rins em fases muito avançadas da doença.
 1 em 3 pessoas tem fatores de risco para o desenvolvimento da doença renal crônica.

Portanto, apesar de desconhecida da população, a insuficiência renal crônica é tão comum que cerca de 1/3 da população está sob risco.

Neste artigo vamos explicar quais são as medidas que efetivamente ajudam a prevenir a doença renal crônica. Não iremos falar sobre dietas milagrosas, remédios naturais, tratamentos alternativos ou qualquer outro tipo de medida que não seja embasada em estudos científicos sérios.

Se você quiser saber uma pouco mais sobre a doença renal crônica, leia também os seguintes artigos:

– 10 SINTOMAS DOS RINS
– INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA
– MÉDICO NEFROLOGISTA – Médico Que Cuida Dos Rins

QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇA RENAL CRÔNICA?

Dezenas de doenças podem causar lesão dos rins, mas cerca de 8 delas são responsáveis pela imensa maioria dos casos nos adultos, a saber:

Além das doenças citadas acima, existem vários outros fatores de risco para doença renal crônica, tais como obesidade, tabagismo, doença cardiovascular, colesterol elevado, hiperplasia da próstata, idade avançada, história familiar de doença renal, etc.

Dentre esses fatores todos, a idade avançada, o diabetes e a pressão alta são os fatores que mais estão associados à doença renal crônica.

COMO PREVENIR AS DOENÇAS DOS RINS?

Não existe mágica nem receita milagrosa para prevenir as doenças renais. Não há nenhum alimento, planta, erva ou terapia que sozinho ajude a impedir uma pessoa de desenvolver doença renal.

A prevenção da doença renal passa obrigatoriamente pelo controle dos fatores de risco. Existem fatores de risco que podem ser evitados, como o consumo de medicamentos nefrotóxicos, outros que podem ser controlados, como a hipertensão arterial, e há também aqueles no qual não há nada a se fazer, como são o caso da idade avançada e da história familiar. Ninguém consegue parar de envelhecer e nem pode mudar a sua carga genética.

Vamos falar um pouco dos principais fatores de risco para doença renal crônica que podem ser evitados ou, pelo menos, controlados:

1- Controlar a pressão arterial

Ter a pressão arterial persistentemente acima dos 140/90 mmHg é um dos mais importantes fatores de risco para lesão dos rins. Quanto mais elevada for a pressão, maior é o risco.

Além do tratamento com medicamentos, a hipertensão também pode ser controlada através de uma dieta com baixo teor de sal, exercícios físicos, controle do peso corporal e moderação no consumo de bebidas alcoólicas. Evitar o cigarro também é importante.

2- Controlar os níveis de glicose no sangue

O diabetes é a principal causa de insuficiência renal crônica no mundo. Quanto mais descontrolado estiver o diabetes e quanto mais anos de doença o paciente tiver, maior é o risco de lesão dos rins.

O diabetes não pode ser curado, mas ele pode ser controlado. Atualmente, recomenda-se que os pacientes com diabetes procurem manter um hemoglobina glicosilada abaixo de 7%.

3- Evitar medicamentos que fazem mal aos rins

Alguns medicamentos muito populares podem ser nefrotóxicos, ou seja, tóxicos para os rins. O mais comum são os anti-inflamatórios. O consumo de qualquer anti-inflamatório de forma frequente e por tempo prolongado pode causar lesão nos rins.

Outros medicamentos que podem causar lesão renal são o antibiótico gentamicina, o lítio, aspirina (doses acima de 500 mg) e a ciclosporina.

Há cada vez mais evidências de que os inibidores da bomba de prótons (omeprazol, esomeprazol, lanzoprazol, etc.) podem causar lesão nos rins, se usados de forma crônica.

4- Controlar os valores do ácido úrico

Níveis muito elevados de ácido úrico, principalmente acima de 10 mg/dl, estão associados a um maior risco de lesão renal, princialmente se o paciente tiver gota. Portanto, o controle do ácido úrico, seja através de medicamentos ou com uma dieta pobre em purina, é uma importante medida.

5- Evitar o cigarro

Indivíduos que fumam têm maior risco de desenvolver insuficiência renal crônica (leia: DOENÇAS DO CIGARRO – Como Parar de Fumar).

6- Manter um peso saudável

A obesidade também está associada a uma maior risco de doença renal crônica. Todos os indivíduos com IMC acima de 30 kg/m² devem procurar emagrecer (leia: CALCULE O SEU PESO IDEAL E IMC).

7- Faça o exame da próstata

Nos homens com mais de 60 anos, a hiperplasia da próstata pode ser uma causa de doença renal, por isso, uma avaliação do urologista é importante.

8- Faça exames de sangue e urina

Como a insuficiência renal crônica é uma doença silenciosa, é importante detectá-la de forma precoce. Análises de urina e a dosagem da creatinina sanguínea são as únicas formas de detectar a doença renal nas fases assintomáticas. Explicamos esses dois exames com detalhes nos seguintes artigos:

– EXAME DA CREATININA E UREIA
– EXAME DE URINA – Leucócitos, Nitritos, Hemoglobina…

9- Procure um médico nefrologista

Se você tem forte histórico familiar de doença renal, faça uma visita ao médico nefrologista para que ele possa fazer um check-up, de forma a identificar precocemente qualquer sinal de problemas nos rins.

Se você tiver infecção urinária de repetição ou cálculos renais frequentes, um seguimento com o médico nefrologista também está indicado.

MÉDICO NEFROLOGISTA – MÉDICO QUE CUIDA DOS RINS

Nefrologia e Urologia são as duas especialidades médicas que cuidam do trato urinário. Como são especialidades complementares, é muito comum que a população faça confusão em relação às atribuições de cada uma.

 

O termo Nefros vem do Grego e significa rins. Portanto, o médico nefrologista é aquele que estuda as funções e as doenças dos rins. Do mesmo modo, Nefrologia é a especialidade médica que trata dos problemas clínicos dos rins.

A Urologia é um pouco diferente, pois ela é a especialidade cirúrgica que lida com o trato urinário. Logo, o nefrologista é o clínico especializado no sistema urinário, enquanto o urologista é o cirurgião do trato geniturinário. É a mesma relação que há, por exemplo, entre os cardiologistas e os cirurgiões cardíacos, entre os neurologistas e os neurocirurgiões e entre os angiologistas e o cirurgião vascular.

Grosso modo, para saber se o seu problema renal deve ser tratado por um urologista ou nefrologista, devemos questionar: o tratamento é feito com cirurgia ou com remédios? Se for cirúrgico, o especialista é o urologista. Se for doença clínica, o especialista indicado é o nefrologista.

O urologista também trata de doenças da próstata e do sistema reprodutor masculino, mesmo que elas não sejam necessariamente cirúrgicas.

Antes de seguirmos em frente, veja esse curto vídeo de 3 minutos, produzido pela equipe do MD.Saúde, que explica de forma simples a insuficiência renal e o exame da creatinina:

QUAIS SÃO AS DOENÇAS QUE O NEFROLOGISTA TRATA?

A principal doença com que o nefrologista lida é a insuficiência renal, estado em que a função dos rins encontra-se comprometida. A insuficiência renal pode ser aguda, quando os rins subitamente sofrem alguma lesão e deixam de funcionar adequadamente por algum tempo, ou crônica, quando o processo de perda de função se dá de forma gradual, mas permanente.

Para saber mais sobre a insuficiência renal, leia:
– INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA | Sintomas e tratamento.
– INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA | Sintomas e tratamento.

Além da insuficiência renal, o tratamento de várias outras doenças clínicas do sistema urinário fazem parte das atribuições do médico nefrologista, entre as mais comuns, podemos citar:

– Glomerulonefrites (leia: O QUE É UMA GLOMERULONEFRITE?).
– Complicações renais de doenças autoimunes (leia: DOENÇA AUTOIMUNE).
– Hipertensão arterial (leia: HIPERTENSÃO ARTERIAL | Sintomas e tratamento).
– Infecção urinária (leia: SINTOMAS DA INFECÇÃO URINÁRIA).
– Cálculo renal de repetição (leia: CÁLCULO RENAL | PEDRA NOS RINS).
– Alterações hidreletrolíticas (alterações dos sais minerais do sangue, como sódio, potássio, cálcio, fósforo, etc.).
– Alterações do metabolismo ácido-básico.
– Doença policística renal (leia: RINS POLICÍSTICOS | Doença policística renal).
– Diabetes insípidos nefrogênico (leia: DIABETES INSIPIDUS | Causas e sintomas).

O nefrologista também é o médico responsável por tratar os pacientes cuja a insuficiência renal é tão grave que eles passam a necessitar de hemodiálise ou diálise peritonial para se manterem vivos (leia: O QUE É HEMODIÁLISE).

Outra atribuição do médico nefrologista é cuidar dos pacientes transplantados renais. Quem realiza a cirurgia do transplante é o urologista, mas o médico que indica o transplante, prepara o paciente, escolhe o doador (em caso de doador vivo), e fica cuidando do paciente após a realização do transplante é o nefrologista (leia: COMO FUNCIONA O TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS). É preciso destacar que o paciente transplantado precisa ficar tomando drogas imunossupressoras por muitos anos para que o rim transplantado não sofra rejeição. Isso implica em um maior risco de problemas, como infecções e surgimento de tumores. É o nefrologista o responsável por controlar as doses dos remédios e procurar manter o rim transplantado funcionando por longos anos.

IMPORTÂNCIA DO NEFROLOGISTA NA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA

Os nossos dois rins filtram em média 180 litros de sangue por dia, o que dá, aproximadamente, 90 a 125 ml de sangue por minuto. Este valor é chamado de taxa de filtração glomerular (TFG) ouclearance de creatinina. Como a TFG média é de 100 ml/min, para um melhor entendimento dos pacientes, costumamos dizer que esse valor corresponde a 100% da função renal. Portanto, se o seu médico diz que você tem 60% de função dos rins, isso significa grosseiramente que seus rins filtram mais ou menos 60 ml/min.

Apesar de ser a doença chave da especialidade, a maioria dos pacientes com insuficiência renal crônica chega aos nefrologistas tardiamente, já com menos de 30% da função dos rins, uma fase que pouco pode ser feito para tentar impedir o avanço da doença em direção à hemodiálise. Isso obviamente não é culpa só dos pacientes, mas também dos seus médicos que demoram a referenciar ao nefrologista os seus  insuficientes renais crônicos.

Os pacientes com insuficiência renal crônica que chegam ao nefrologista precocemente, ou seja, em fases iniciais da doença, apresentam as seguintes vantagens:

– Menor mortalidade a longo prazo.
– Melhor controle da pressão arterial.
– Menos doenças associadas à falência renal, como lesões ósseas, anemia, desnutrição e doenças cardiovasculares.
– Menor perda de função renal ao longo dos anos, o que faz com esses pacientes demorem mais tempo para atingir a insuficiência renal terminal. Muitas vezes, o paciente consegue controlar a sua doença de forma a nunca precisar da hemodiálise.
– Aqueles que acabam precisando de hemodiálise apresentam menos complicações e menor mortalidade, além de um melhor preparo e menor tempo para o transplante renal, se for este o desejo do paciente.
– Maior chance de cura, caso a causa da insuficiência renal tenha tratamento.

QUANDO SE DEVE PROCURAR UM NEFROLOGISTA

As doenças dos rins podem ser traiçoeiras, pois muitas vezes apresentam poucos ou nenhum sintoma nas suas fases iniciais. Às vezes, apenas através de exames laboratoriais de sangue ou urina conseguimos identificar uma doença renal em curso. Por isso, é importante reconhecer os pacientes com fatores de risco para doenças renais e os primeiros sintomas de lesão nos rins para que os indivíduos doentes possam ser avaliados adequadamente por um médico nefrologista.

Não espere que a insuficiência renal crônica provoque dor nos rins ou redução do volume urinário. Ela é uma doença silenciosa que não irá apresentar sintomas até fases bem avançadas. Se você acha que só porque os seus rins não doem e sua urina está normal não há risco dos seus rins estarem doentes, você pode ter uma desagradável surpresa no futuro.

Em geral, sugerimos uma avaliação por um nefrologista para todas as pessoas que apresentam as seguintes características:

– Alterações na taxa de creatinina sanguínea, que é o principal marcador da função renal (leia: O QUE SÃO CREATININA E UREIA).
– Urina que espuma muito ou identificação de perdas de proteínas na urina através de exames laboratoriais (leia: URINA ESPUMOSA E PROTEINÚRIA).
– Urina avermelhada ou identificação de sangue na urina através de exames laboratoriais (leia:HEMATÚRIA (URINA COM SANGUE)).
– Infecção urinária de repetição, principalmente se forem mais de 3 episódios por ano (leia:INFECÇÃO URINÁRIA (CISTITE)).
– Mais de um episódio de cálculo renal durante a vida. O urologista trata os cálculos, mas é o nefrologista quem impede que novas pedras surjam.
– Edemas e inchaços sem causa aparente (leia: INCHAÇOS E EDEMAS | Causas e tratamento).
– Alterações no potássio, sódio, fósforo, ácido úrico, magnésio e cálcio sanguíneos que o clínico geral não identifique facilmente a causa.
– Alteração do metabolismo ácido-básico sem causa aparente.
– Aparecimento de múltiplos cistos renais em exames como ultra-som (ecografia), tomografia computadorizada ou ressonância magnética dor rim.
– Alterações do volume de urina sem causa aparente.

 

 

O QUE É SAUDE MENTAL?

A maior parte das pessoas, quando ouvem falar em “Saúde Mental” pensam em “Doença Mental”. Mas, a saúde mental implica muito mais que a ausência de doenças mentais.
Pessoas mentalmente saudáveis compreendem que ninguém é perfeito, que todos possuem limites e que não se pode ser tudo para todos. Elas vivenciam diariamente uma série de emoções como alegria, amor, satisfação, tristeza, raiva e frustração. São capazes de enfrentar os desafios e as mudanças da vida cotidiana com equilíbrio e sabem procurar ajuda quando têm dificuldade em lidar com conflitos, perturbações, traumas ou transições importantes nos diferentes ciclos da vida.
A Saúde Mental de uma pessoa está relacionada à forma como ela reage às exigências da vida e ao modo como harmoniza seus desejos, capacidades, ambições, ideias e emoções. 

TER SAÚDE MENTAL É...


Estar bem consigo mesmo e com os outros;
Aceitar as exigências da vida;
Saber lidar com as boas emoções e também com aquelas desagradáveis, mas que fazem parte da vida;
Reconhecer seus limites e buscar ajuda quando necessário;

LEMBRE-SE

Todas as pessoas podem apresentar sinais de sofrimento psíquico em alguma fase da vida.

PARA MANTER SUA SAÚDE MENTAL EM DIA...

Mantenha sentimentos positivos consigo, com os outros e com a vida;
Aceite-se e às outras pessoas com suas qualidades e limitações;
Evite consumo de álcool, cigarro e medicamentos sem prescrição médica
Não use drogas;
Pratique sexo seguro;
Reserve tempo em sua vida para o lazer, a convivência com os amigos e com a família;
Mantenha bons hábitos alimentares, durma bem e pratique atividades físicas regularmente.

 

 

Fonte: http://www.saude.pr.gov.br/

São 467 anos de uma adolescente cidade.

De uma menina crescida entre marés, cores, cheiros atos, ginga"magia e muita arte.
A soteropolitanidade desse povo exalta o sorriso e a alegria de viver aqui.

Salve Salvador, seus becos guetos avenidas ruas orla e povo.

 

 

Carlos Silva

 

Poeta Cantador

 

 

 

A massoterapia é uma prática integrativa que visa restabelecer o fluxo da energia do corpo, mobilizar o sistema linfático, melhorar a circulação, movimentar articulações, aliviar a dor, promover relaxamento profundo, liberar as tensões e retardar o envelhecimento, reequilibrando assim o corpo físico, mental, emocional e energético do ser humano...

Objetivo do curso: Capacitar indivíduos para atuar como Massoterapeutas, com ampla visão científica e filosófica, conscientizando-os de suas responsabilidades em cuidar do outro.

Maiores informações no banner!

 

 Contatos: Kátia – 9 9132-3639/Daniele – 9 8681-5562

003932243
MyMural - Mural de Recados

CARLOS ALBERTO MORGADO AZEVEDO

Aposentado - E D P, de LAGOS - PORTUGAL.

OBRIGADO AMIGOS PELO VOSSO CARINHO E TUDO DE BOM QUE NOS TÊM CONSEGUIDO PASSAR DE TANTO VALOR EM [...]


Veja Mais...